O peso do vazio

Padrão

Escrito por Mia Couto 
Sábado, 12 Fevereiro 2011 00:00

As próprias letras das canções e os respectivos vídeo-clipes são um culto da ostentação oca e bacoca. Meninos de fatos italianos, cheios de penteados (a mostrar que lhes pesa mais o cabelo que a cabeça) e com dourados a pender dos dedos, dos dedos e do pescoço (a mostrar que precisam apenas de mostrar), meninos que cantam pouco e se repetem até à exaustão, fazem o culto deste vazio triste…

Durante anos, o sistema bancário esteve vendendo vazios. Durante esse tempo a arte esteve no empacotar esse vácuo.

Esse cultivo da aparência em substituição da substância invadiu as nossas sociedades, no Norte e no Sul do planeta.

Esse fascínio pelo brilho exterior estende-se a todos os domínios.

Não interessa tanto quem sejas. Interessa o que vestes e como te vendes.

Não interessa o que realmente sabes fazer.

Interessa a arte de elaborar CVs, de acumular cursos e de te saberes colocar na montra.

Não interessa o que pensas.

Interessa como embrulhas o pensamento (ou a sua ausência) num bonito invólucro de palavras.

Não interessa, no caso de seres governante, como governas e como produzes riqueza para a sociedade.

Interessa a pompa e a circunstância.

Em suma, o que pesa é o vazio.

Nas artes, o espectáculo tomou conta dessa generalizada ausência de conteúdo.

Pouco importa a voz da cantora.

Quem escuta a desafinação se ela rebola os quadris com sedução de gata?

Quem disse que uma boa cantora tem que cantar?

Numa nação em que pouco dinheiro pode salvar vidas, patrocínios chorudos foram aplicados em programas mediáticos de procura do rosto mais bonito, do corpo mais bonito.

As próprias letras das canções e os respectivos vídeo-clipes são um culto da ostentação oca e bacoca.

Meninos de fatos italianos, cheios de penteados (a mostrar que lhes pesa mais o cabelo que a cabeça) e com dourados a pender dos dedos, dos dedos e do pescoço (a mostrar que precisam apenas de mostrar), meninos que cantam pouco e se repetem até à exaustão, fazem o culto deste vazio triste em que o que brilha é falso e o que é verdadeiro é mentira.

Que valores se veiculam?

O carro de luxo (dado pelo papá), a vida fútil, a riqueza fácil.

Ai, pátria amada quanto te amam de verdade?

Ai, África odiado quanto desse ódio te foi dedicado pelos próprios africanos?

Quanto teremos que dar razão ao grande escritor Chinua Achebe quando disse, na carta que escreveu a Agostinho Neto: “O riso sinistro dos reis idiotas de África que, da varanda dos seus palácios de ouro, contemplam a chacina dos seus próprios povos?”

Essa substituição do conteúdo pobre pela forma e pelo aparato pobre faz parte da nossa cultura de empreendedores instantâneos.

Há que criar uma empresa?

O melhor é que ela não produza nada.

Produzir é uma grande chatice, custa tempo e dá muito trabalho.

O que está é o lobby, a compra e venda de influências, é ser empresário de sucesso sobretudo porque esse sucesso vem de ser filho de alguém. Para a empresa ser de “peso” há que se gastar tudo na fachada, no cartão de visita, na sala de recepção.

Toda esta longa introdução vem a propósito de um outro jogo de aparêcias.

O acto de pensar foi dispensado pelo uso mecâico de uma linguagem de moda.

Já falei de workshops como uma espécie de idioma que preenche e legitima a proliferação de seminários, workshops e conferências que pululam de forma tão improdutiva pelo mundo inteiro.

Existem termos de moda como “o desenvolvimento sustentável”.

Um desses termos mágicos que dispensa qualquer tipo de raciocínio e que cauciona qualquer juízo moral ou proposta políica é a expressão “comunidade local”.

Mas aqui surge uma outra operação: por artes inexplicáeis as chamadas “comunidades locais” são entendidas como agrupamentos puros, inocentes e portadores de valores sagrados.

As comunidades rejeitam?

Então, nada se faz.

As comunidades queixam-se?

É preciso compensá-las, de imediato, sem necessidade de produzir prova.

As comunidades surgem como entidades fora deste mundo e olhadas como um bálsamo purificador por um certo paternalismo das chamadas potências desenvolvidas.

As comunidades estão acima de qualquer suspeita, são incorruptíveis e têm uma visão infalível sobre os destinos da humanidade.

É assim que pensam uns tantos missionários dessa nova religião que se chama “desenvolvimento”.

Uma tropa de associaçõs cívicas, organizações não governamentais servem-se desse conceito santificado e santificante.

Essa entidade pura não existe. Felizmente.

O que há são entidades humanas, com os defeitos e as virtudes de todas as entidades compostas por pessoas reais.

O esforço de idealização promovido quer pelos profetas do desenvolvimento quer pelos defensores dos fracos não confere com a realidade que é mais complexa e mundana. O bom selvagem defendido por Rosseau nunca foi nem “bom”, nem “selvagem”.

Foi simplesmente pessoa.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s