Category Archives: Ciência e Tecnologia

A casa sustentável de Simon Dale

Padrão

 Simon Dale não tinha nenhuma experiência em carpintaria nem arquitetura mas, mesmo assim, conseguiu construir com as suas próprias mãos e a ajuda do sogro, uma casa totalmente sustentável com madeira reaproveitada e outros objectos que já tinham sido descartados de outras pessoas tais como, janelas e tubagens.
Com um custo total de cerca de 3.000£, muito abaixo do que teria de pagar se tivesse encomendado a obra a outros, a sua nova casa familiar numa bonita região verde da Escócia, ficou pronta em 4 meses e tem uma clarabóia no telhado para permitir a entrada de luz natural e painéis solares.
Os WCs utilizam técnicas de compostagem e a água do telhado.

“Esta construção parte de uma visão de vida que causa pouco impacto ao meio ambiente. Ela baseia-se no conceito de viver em harmonia com o mundo natural e nós mesmos, fazendo as coisas de maneira simples”, afirmou Dale ao jornal “Daily Mail”.

Para Dale, durante a construção houve momentos de muita exaustão, porém a satisfação e o incentivo das pessoas venceram esse cansaço. A casa, inclusive, foi apelidada pelos vizinhos como “Hobbit”, numa referência às casas da ficção produzida por J. R.R Tolkien nos livros “O Hobbit” e “O Senhor dos Aneis”.

Fonte do artigo: 
http://www.simondale.net/house/index.htm
Fonte das imagens:
http://lammas.org.uk/lowimpact/gallery.htm

Peixe usa pedras como ferramenta

Padrão

Quando o biólogo marinho, Scott Gardner estava a mergulhar na Grande Barreira de Coral, ouviu um som estranho.
De imediato pegou na camera e ainda foi a tempo de tirar algumas fotos duma truta-do-alto (Notolabrus inscriptus) a esmagar um pequeno molusco contra uma pedra para chegar à sua carne.

Embora os cientistas saibam há cerca de 50 anos que uma dúzia de espécies de peixes usam rochas como ferramentas, esta, foi a primeira vez que alguém testemunhou de perto e gravou o ato com uma câmera.

“Eu fiquei surpreendido apenas com a qualidade das imagens. O peixe não pareceu preocupado por alguém estar ali sentado a tirar-lhe fotografias” disse Culum Brown, um biólogo marinho da Universidade Macquarie que co-escreveu um artigo (article about the findings) sobre achados com Gardner. ” É óbvio para qualquer um que veja estas fotografias que este é um peixe esperto a fazer coisas inteligentes”.

O peixe quebra o berbigão (um tipo de molusco) contra a rocha, usando-a como uma bigorna, e não como um martelo, o que ainda se encaixa claramente na definição de uso de ferramenta.
Dito isso, Culum Brown, um biólogo especializado em peixe, admitiu que é complicado definir “ferramenta” para os peixes.

A definição para a identificação de animais que usam ferramentas foi escrita por primatólogos que observaram o comportamento de macacos e símios na selva.
As pistas visuais – picar coisas com uma vara, atingir algo com uma pedra, etc – não necessariamente se traduzem em ambientes subaquáticos.
Os peixes não têm mãos e não operam em um ambiente terrestre.
Por exemplo, se você tentar balançar algo debaixo d’água, terá muita resistência. E mesmo se você pegar uma rocha embaixo de água, verá que ela pesa apenas uma fração do que pesa sobre a terra.

“Então, os tipos de coisas que você vê os chimpanzés a fazerem não iriam funcionar debaixo de água”, explica Brown.
O especialista afirma, entretanto, que o peixe estava a usar a pedra o mais apropriadamente possível para o ambiente, o que demonstra inteligência.

“Obviamente, o peixe está a manipular a ferramenta de alguma forma – ele segura o berbigão de uma forma particular, e o choca contra um lugar muito particular sobre a bigorna, a parte mais pontuda. O peixe não está ‘vagando sem rumo’, simplesmente a fazer lançamentos de moluscos contra qualquer rocha; ele está a visar a ferramenta para obter o efeito máximo dela”, argumenta.

A lista de animais que demonstram um comportamento de uso de ferramentas tem crescido recentemente e já inclui até  polvos, corvos, papagaios e insetos, juntamente com primatas e golfinhos.
Brown espera que o peixe possa em breve ser considerado parte desse grupo.
“Estamos a  trabalhar na criação de uma nova definição da cognição dos peixes, e estamos a descobrir que há pouca diferença entre estes animais; eles são apenas inteligentes em coisas diferentes”, afirma.

Fonte : Life´sLitleMysteries

Espectacular erupção submarina filmada- A mais profunda até agora.

Padrão
Pesquisadores testemunharm uma espetacular explosão de fogo do vulcão debaixo de água, e capturaram-na em vídeo. 
 
Acredita-se que seja a erupção vulcânica mais profundo do oceano, já registrada. 
 
As explosões subaquáticas no oceano Pacífico, em Maio deste ano foram registrados usando um veículo que funciona controlado remotamente. 
 
Sob o som dos motores do veículo, gravados por um hidrofone, pode ouvir-se os sons abafados das explosões, ainda audíveis a 4.000 pés de profundidade no oceano.
 
Uma equipe da expedição, que incluiu pesquisadores da Universidade de Washington e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, realizou as observações numa área do Pacífico delimitada pelas ilhas de Samoa, Tonga e Fiji. 
A erupção foi a sudeste de Samoa. 
 
Um dos cientistas chamou à explosão um 4 de Julho submarino. 
 
Imagens mostram grandes bolhas de lava brilhante e vermelha, derretida com cerca de três metros de diâmetro a espalhar-se pelo fundo do mar.
Este vulcão eleva-se a mais de uma milha do chão do oceano.
A sua área eruptiva tem o comprimento de um campo de futebol e produz lava Boninite que, se acredita estar entre as mais quentes de todas as erupções na Terra nos tempos modernos. 
 
Os investigadores acreditam que eles têm uma oportunidade única para estudar a formação do magma e de como a Terra recicla material onde as placas tectônicas deslizam umas contra as outras. 
 
Um microbiologista da equipe encontrou diversos micróbios nas condições extremas, e observaram uma pequena espécie de camarão prosperando.
Ele acredita ser a mesma espécie de camarão encontrado noutras zonas eruptivas a mais de 3.000 quilômetros de distância. 
 
Os cientistas da missão acreditam que 80 por cento da atividade eruptiva na Terra ocorre no oceano, e é também lá que existem mais vulcões.
Mas até esta descoberta da NOAA e da National Science Foundation que tinha tinha patrocinado esta pesquisa por vulcões submarinos durante 25 anos, nunca tinham conseguido observar uma erupção do oceano profundo como esta, que agora ficou gravada para todos nós a podermos ver.
Veja o vídeo :
 

Cientistas transformaram gordura má em gordura boa

Padrão

Cientistas dizem ter encontrado uma maneira de transformar gordura corporal num melhor tipo de gordura que queima calorias e promove a perda de peso.
A equipe americana de Johns Hopkins fez a descoberta em ratos, mas acredita que o mesmo poderia ser feito em seres humanos, oferecendo a esperança de uma nova maneira de tratar a obesidade.

Modificando a expressão de uma proteína ligada ao apetite não só reduziu o consumo dos animais de calorias e de peso, mas também transformou a sua composição de gordura.

Gordura “má” branca tornou-se em gordura “boa”.

A gordura marrom é abundante em bebês, que usam como fonte de energia para gerar calor corporal, gastando calorias, ao mesmo tempo.

Mas à medida que envelhecemos a nossa gordura marrom desaparece em grande parte  e é substituída por gordura “má” branca, que normalmente se sente como um pneu sobressalente em torno da cintura.

Especialistas acreditam que estimular o organismo a produzir mais gordura marrom em vez de gordura branca poderia ser uma maneira útil de controlar o peso e prevenir a obesidade e os problemas relacionados com a saúde, como diabetes tipo 2.

Várias pesquisas procuraram uma maneira de fazer isso, e agora certos pesquisadores afirmam que podem ter conseguido. Eles planearam uma experiência para ver se suprimir uma proteína estimulante de apetite, chamada NPY, diminuiria o peso corporal em ratos.

Sem a NPY a trabalhar no cérebro dos ratos, eles diminuiram o apetite e a ingestão alimentar. Mesmo quando eles foram alimentados com uma dieta muito rica em gordura, conseguiram manter mais o peso do que ratos que tinham pleno funcionamento da NPY.

Os cientistas compararam então a composição da gordura dos ratos e encontraram uma mudança interessante: sem a expressão da NPY, um tanto da gordura ruim branca tinha sido substituída pela gordura marrom boa.

Os pesquisadores têm esperanças de que isso possa ser possível nos humanos, também.
Através da injeção de células-tronco de gordura marrom sob a pele, para queimar a gordura branca e estimular a perda de peso, o mesmo efeito pode ser alcançado.

Claro que mais pesquisas são necessárias antes de confirmarem essas suspeitas, mas a nova abordagem pode ser um caminho viável para desenvolver novos tratamentos para a obesidade.

[BBC]

Papiro – Como se faz

Padrão

Dentro do lema em que acredito que o saber nunca ocupa lugar, trago aqui hoje uma curiosidade que, hoje em dia já poucos utilizam mas que é bastante interessante e, com as voltas que a vida dá, nunca se sabe se um dia voltaremos a precisar de o fabricar de novo.
Trata-se do Papiro e, nada melhor do que imagens para explicar o que é, para que serve e como se faz.

Para tal veja este vídeo:

Os 8 andróides mais estarrecedores do mundo

Padrão




A ficção científica previu os andróides há muitos anos e os cientistas trabalham afincadamente para criar humanos artificiais há décadas. 
Veja alguns dos exemplos mais realistas e bizarros de máquinas com características estranhamente humanas.

Acima você pode ver um estranho bebezão robótico que “aprende” expressões faciais, fala e movimentos com suas experiências e com humanos.

Acima você pode ver uma cabeça robótica com características muito realísticas. Se não fosse o fato de estar pendurada e ter a boca “vazada” nós nem perceberíamos que não é uma pessoa real.

Acima você vê um garoto robótico criado no Dubai.

A Alice, criada na Suíça imita diversas expressões faciais humanas

Esta garota robótica deve estar roubando o coração de muitos japoneses solitários

.

O bebé robótico acima tem um aspecto assustadoramente realista

.

 A medonha moça robótica acima que parece estar em extrema agonia foi criada para um filme.

 Será que é um robô ou um humano? Este impressionante andróide chama-se Jules, um robô conversador criado por David Hanson
Os seus robôs podem desenvolver empatia e relacionamentos com humanos, entendem linguagem além de ler as expressões faciais das pessoas e lembrar daqueles com os quais interage.

Fonte : Revoada.comhttp://revoada.net/os-8-androides-mais-estarrecedores-do-mundo/

Europeus fornecem o mais exacto modelo da gravidade na Terra

Padrão

Dados enviados por satélite à ESA (Agência Espacial Europeia), durante dois anos, possibilitaram o estudo preciso da gravidade do planeta Terra de uma forma inédita.

Os cientistas agora detêm um dos mais exactos modelo geoide (protótipo mais aproximado do nosso planeta, visto que ele não é totalmente redondo) do lugar onde vivemos.

ESA/HPF/DLR
Modelo da gravidade na Terra fornecerá dados oceanográficos e da estrutura interna do planeta

A imagem foi divulgada nesta quarta-feira durante uma conferência em Munique (Alemanha) –para ver uma versão animada, clique aqui.
No estudo apresentado pela ESA, com imagens fornecidas pelo satélite Goce (sigla em inglês de Explorador da Circulação Oceânica e do Campo Gravitacional), considerou-se a gravidade do geoide sem a acção de marés e de correntes oceânicas.

O modelo serve como referência para medir a movimentação dos oceanos, a mudança do nível do mar e a dinâmica do gelo, o que pode abrir precedente para entender com maior profundidade as mudanças climáticas.

Além desses dados oceanográficos, também servirá para o estudo da estrutura interna do planeta –como os processos que levam à formação de terremotos de grande magnitude e que podem provocar danos devastadores, como aconteceu com o Japão no sismo de 11 de Março.

Do espaço, é praticamente impossível para os satélites observarem a dinâmica dos tremores, visto que o movimento das placas tectónicas ocorre abaixo do nível dos oceanos.
Contudo, explica a ESA em seu site, os tremores costumam deixar um “rastro” na gravidade do planeta, o que pode ajudar a entender o mecanismo de um terremoto e, quem sabe, antecipar sua ocorrência.