Category Archives: Doces

Bolinhos de Chuva

Padrão

Ideais para quem quer comer alguma coisa docinha mas, está com pouca vontade de ir perder muito tempo na cozinha e fazer muita bagunça.
Estes bolinhos já eram feitos pela maioria das nossas avós e ganharam este nome devido ao tempo chuvoso e propício para ir inventar qualquer coisa na cozinha já que a chuva tirava a vontade de andar na rua e  as avós preparavam-no rapidamente para um lanchinho saboroso e que toda a gente gostava.
Super fáceis de fazer, só exigem cuidado na altura de se fritarem.
Veja como ficaram os meus e logo abaixo a receita que usei para os fazer.

Ingredientes:

3 Chávenas de chá de farinha
3 Ovos
5 Colheres de sopa de açúcar
1 Pitada de sal
1 Colher de café de fermento em pó Royal
1/2 chávena de leite

Açúcar e canela para polvilhar no fim e óleo para fritar.

Preparação:
Bate-se os ovos com o açúcar,  adiciona-se o leite, o sal e mistura-se tudo bem.
Por fim adicione a farinha com o fermento.

Para fritar fazem-se pequenas bolas que não devem ocupar mais do que metade da colher de sopa e colocam-se no óleo quente mas com o lume baixo para dourarem e terem tempo de fritar o interior sem escurecer por fora.
Use papel de cozinha para absorver o óleo quando tirar os bolinhos do lume e, por fim polvilhe-os com açúcar e canela.

Bom apetite!

Argolinhas

Padrão

Uma receita bem velhinha que já as minhas avós confeccionavam e que é muito simples de se fazer para acompanhar um chá ou “matar” aquele ratinho que aparece fora de horas 🙂
O facto de ser um frito não o torna um “crime” por aí além porque as argolinhas ficam bem sequinhas.
Estes ingredientes dão para uma dose pequena, cerca de 10 argolas.

Ingredientes:

1 Ovo
1+1/2 Colheres de sopa de açúcar
2 Colheres de sopa de óleo
Raspa de 1/2 Limão
Farinha q.b.
Açúcar e canela para polvilhar no fim
Óleo para fritar

Preparação:
.
Numa tigela misturar com um garfo o ovo com o açúcar, o óleo e a raspa do meio limão.
Depois vá juntando farinha até obter uma massa que não se pegue aos dedos.
Para fazer as argolinhas, retire pedaços da massa e role-a entre as mãos para formar tiras que não devem ser muito grandes e una-as pelas pontas de modo a formar as argolas.
Coloque o óleo a aquecer e quando ele estiver bem quente coloque as argolas e deixe-as fritar até começarem a ficarem douradas.
As minhas passaram um pouco do ponto por isso , não se distraia com nada nesta etápa 🙂
Por fim , role-as em açucar e canela.
E pronto, tem as suas argolinhas prontas para acompanhar o chá.

A MARMELADA (Historia e papel nos Descobrimentos portugueses)

Padrão

Os navegadores portugueses levavam sempre caixas de marmelada nas suas provisões de viagem.
Em 1497 Vasco da Gama na primeira viagem às Índias embarca nas naus a maior quantidade possível de marmelada para alimentação da tripulação que também serviu para presentear com marmelada os povos que encontrou pelo caminho, os africanos da costa oriental de África, de Moçambique a Calecute.
Vasco da Gama perdeu grande parte da sua tripulação por causa do escorbuto, cerca de dois terços, na viagem de descoberta porque ignorava que a marmelada que transportava os podia salvar.
A doença é melhor conhecida nas viagens marítimas do século XVI.
Pedro Álvares Cabral também transportou o doce na expedição de descoberta do Brasil.
A 26 de Abril de 1500, após a celebração da primeira missa, foi servida marmelada como sobremesa ao jantar a bordo da nau capitania.
A irmã de Afonso de Albuquerque envia-lhe em 1512 marmelada e mel “rosado” para a Índia.
No livro D. João de Castro, (Livraria Civilização, Porto, 1945), sobre o vice-rei da Índia, a inglesa Elaine Sanceau fala da paixão do biografado por marmelada.
Em 1545, a sua mulher, Leonor Coutinho, que ficara em Lisboa, enviou-lhe por mar para Goa uma enorme caixa de marmelada, à guarda do mestre da nau, que jurou “por Deus” entregar o volume intacto ao destinatário.
Era a única fraqueza de João de Castro, homem frugal, guerreiro, versado em ciências e administrador honrado.
O escorbuto era conhecido na época das navegações portuguesas (séculos XV e XVI) como “mal de Angola” pois era nas proximidades deste país que os sintomas da doença começavam a afectar as tripulações dos navios portugueses que cruzavam o Cabo da Boa Esperança em direcção à Índia. Como naquela época não se conhecia por completo a doença, julgava-se que os tripulantes eram infectados no país.
A primeira marmelada teria sido preparada no Brasil em São Paulo pelo fidalgo e militar português Martim Afonso de Souza, donatário da Capitania de São Vicente.
Na primeira metade do século XVI, introduziu o marmeleiro e a cana-de-açúcar nas terras que recebeu do rei João III.
Ao longo da viagem de circum-navegação, enquanto os marinheiros sofriam e morriam à sua volta devido ao escorbuto, Fernão de Magalhães e vários outros oficiais mantinham-se misteriosamente saudáveis.
Cerca de quatro quintos da tripulação de Fernão de Magalhães foi mortalmente vitimada pelo escorbuto.
Ninguém sabia porquê, mas havia uma razão para terem escapado à terrível doença.
Durante toda aquela provação, os oficiais serviam-se regularmente de um fornecimento de compota de marmelo que o capitão português fizera embarcar.
A infanta Maria, neta do rei Manuel I, incluiu a receita do doce no seu famoso caderno de cozinha, quando casou em 1565 com Alessandro Farnese, terceiro duque de Parma e Piacenza, na Itália.
O mesmo fez Catarina Henriqueta de Bragança, filha do rei João IV, ao casar com Carlos II, da Inglaterra, em 1662.
Introduziu a marmelada naquele país, mas da sua contribuição sobrou apenas o nome, marmelade.
Ainda hoje o doce é preparado ali com laranja, e não com marmelo, fruta menos valorizada pelos ingleses.
A casa real de Bragança, que reinou em Portugal e no Brasil, gostava muito de marmelada.
O explorador francês Jacques Cartier quase falhou a sua missão de exploração do rio São Lourenço quando a sua comitiva adoeceu, tendo esta sido salva pelos ensinamentos médicos dos povos ameríndios que usavam uma infusão de cedro, rica em vitamina C, para curar o escorbuto.
Foi estimado que cerca de um milhão de marinheiros sucumbiram ao escorbuto nos séculos XVII e XVIII.
Em 1747, o cirurgião escocês James Lind conduziu uma experiência, considerada como o primeiro ensaio clínico registado na história da Medicina.
A bordo do navio HMS Salisbury, Lind dividiu um grupo de doze marinheiros afectados pelo escorbuto em diferentes grupos, que receberam diferentes formas de terapia.
O grupo com acesso a laranjas e limões recuperou da doença. Lind publicou os seus resultados em 1753, mas a introdução de sumo de limão ou lima na dieta dos marinheiros britânicos só surgiu cerca de quatro décadas mais tarde, por decisão do almirantado britânico em 1795.
O imperador Pedro II do Brasil comia marmelada.
Segundo a tradição, gostava da sobremesa originária de Goiás, da área em torno do actual município de Luziânia, antes chamado de Santa Luzia.
O médico, geólogo e botânico austríaco Johann Baptist Emanuel Pohl, no livro Viagem no Interior do Brasil Empreendida nos Anos de 1817 a 1821 (Ministério da Educação e Saúde-INL, Rio de Janeiro, 1951), documenta a predilecção.
Os moradores de Santa Luzia vivem em parte das suas plantações, um pouco da criação do gado e do comércio e, principalmente, de uma famosa marmelada que vai até a cidade do Rio de Janeiro.
O imperador Pedro II também consumiria o doce elaborado no sul de Minas, na zona do actual município de Marmelópolis (o nome não foi dado por acaso), ainda famoso.
Essas regiões produz boa marmelada por causa da variedade de marmelos que cultivam, o tipo de solos e o clima.
Nos cinco tipos da planta predominantes no Brasil a constituição físico-química oscila.
O sabor amargo, por exemplo, determinado por taninos e compostos fenólicos, apresenta-se mais ou menos intenso.
A alta percentagem de pectina, agente de emulsão que facilita a confecção do doce, vai de 450 mg a 650 mg por 100g.
Tudo isso influi numa marmelada.
A marmelada encontra-se em declínio no Brasil.
A área dedicada ao cultivo do marmeleiro é cada vez menor.
A planta foi atacada por uma praga, a entomosporiose ou requeima e a queda da rentabilidade de sua cultura desanimou os produtores.
Actualmente, o cultivo limita-se a certas áreas de Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo, onde a marmelada já foi o principal produto de exportação, antes do ciclo do café.
Em 1944 deixou de se confeccionar a milenar marmelada em Lisboa e no país devido ao racionamento do açúcar.
A palavra “açúcar” vem do sânscrito sankhara, que significa areia e originou todas as outras versões nas línguas indo-europeias: sukkar em árabe, saccharum em latim, zucchero em italiano, sugar em inglês, zucker em alemão…
Não se conhece a origem deste produto.
Talvez na Nova Guiné ou na Ásia.
Foram os chineses que fizeram as primeiras experiências para transformar o caldo da cana em açúcar sólido.
Os persas desenvolveram novas técnicas de produção e espalharam esse conhecimento por todo o Oriente Médio, onde o cultivo era adequado.
Alexandre o Grande introduziu o açúcar na Europa, onde se tornou artigo de luxo, reservado aos nobres e ao uso medicinal.
Os árabes cultivaram-no e exportaram-no para toda a Europa pelos portos venezianos.
Enquanto no Oriente havia açúcar em abundância, o sal era escasso.
Na falta deste, o açúcar passou a ser condimento habitual.
Nessa época surgiram geleias e compotas.
E também a marmelada, que depois da invasão árabe foi introduzida na Península Ibérica.
O marmelo, um fruto do género da maçã, era um potente anti-escorbuto, graças à quantidade de vitamina C que contém.
Originário da Ásia, introduzido na Europa há 4 mil anos, o marmeleiro dá um fruto que, apesar do aroma agradável, nem sempre se torna apetitoso ao natural.
É ao mesmo tempo doce, ácido e amargo.
Em compensação, presta-se à elaboração de doces (além da marmelada, geleia e compota).
Existe uma variedade de marmeleiro, o gamboeiro, que produz gamboas, um fruto mais temporão e menos amargo.

A marmelada é preparada de marmelos descascados, cortados ao meio e as sementes, retiradas. 
A seguir, coloca-se em um tacho, com água suficiente apenas para cobri-las. 
Leva-se ao fogo para a obtenção da massa. 
Tira-se dali, deixa-se esfriar, passa-se em uma peneira de malha fina, pesa-se para decidir a quantidade de açúcar, que vai de 650g a 1 kg por kg de massa. 
Volta-se ao fogo, mexendo sempre com uma colher de pau. 
O doce estará no ponto quando se soltar das bordas do tacho.

O nome do doce serve para designar a relação preliminar ao acto sexual.
Também designa no Brasil o conluio entre os participantes de um jogo, a fim de que o resultado seja favorável a um deles ou a um terceiro.
As pessoas idosas lembram-se do prazer de saborear o doce na infância.
Entretanto, não conservam boa lembrança do marmeleiro.
Com os seus longos ramos flexíveis e rijos, os pais do antigamente faziam varas para castigar as crianças.
Nos anos setenta um arquitecto português foi estudar para o Japão.
No local onde trabalhava estavam plantados marmeleiros cujos frutos não eram aproveitados.
Falou aos japoneses que se podia fazer marmelada dos frutos e levou-lhes a receita.
Experimentaram e passaram a fazê-la todos os anos.
É provável que a árvore tenha sido levada para o Japão pelos portugueses, assim como a marmelada!
Por membrillo é chamada a marmelada em castelhano.
Madrid ainda conserva, no centro da cidade, uma loja de marmelada artesanal, cortada e pesada na altura da venda.

Chocolate produz o mesmo efeito que fazer exercício físico

Padrão

Os benefícios da ingestão de pequenas quantidades de chocolate preto já são bem conhecidos, mas um grupo de cientistas descobriu agora que o seu efeito nos músculos pode ser o mesmo do exercício físico.

 

Os investigadores norte-americanos envolvidos neste estudo concluiram que uma das substâncias encontradas no chocolate, a epicatequina, parece desencadear a mesma resposta muscular que o exercídio vigoroso. 
Na base desta teoria estão as mitocôndrias, responsáveis pela produção de energia das células.
“As mitocôndrias produzem energia que é usada pelas células do corpo. Mais mitocôndrias implicam a produção de mais energia”, explica um dos cientistas, Moh Malek, da Universidade de Wayne State, em Detroit.
“Exercício aeróbico, como correr ou andar de bicicleta, aumenta o número de mitocôndrias nas células dos músculos. O nosso estudo descobriu que a epicatequina desencadeia a mesma resposta, sobretudo dos músculos cardíacos e esqueléticos”, sublinha o investigador.
Durante 15 dias, um tipo específico de epicatequina do cacau foi dado a ratos duas vezes por dia. Outro grupo de roedores fazia 30 minutos diários de treino.
Os investigadores concluiram que os animais que apenas recebiam epicatequina tinham a mesma capacidade física do que os que corriam.
Fonte: Visão
Nota : Eu sabia que o chocolate não podia ser tão vilão assim! O que é bom não pode estar sempre do lado proibitivo 🙂

Trufas de Chocolate com coco

Padrão
Esta receita de trufas é uma adaptação minha às comuns receitas que levam cacau.
Como cá em casa o cacau não é muito apreciado, eliminei-o da receita e ajustei os outros ingredientes para que as trufas ficassem do nosso agrado.
Ingredientes para render a mesma quantidade apresentada na foto:
200 g de Chocolate em pó ( eu uso da Nestlé )
200 g de açucar em pó
150 g de margarina amolecida.
2 gemas de ovos
Coco para envolver as trufas
Preparação :
Trabalhe a margarina com o açúcar até ficar em creme.
Adicione o chocolate em pó e, por fim as gemas de ovos.
Misture tudo bem até obter uma massa bem consistente.
Depois deixe o preparado repousar algum tempo e, quando estiver mais duro, molde bolas pequenas e envolva-as em coco ralado.
Em alternativa, pode dividir a massa e envolver uma parte em açucar pilé grosso ou bolinhas de açúcar coloridas.
Sirva em caixinhas de papel frisado.

Suspiros

Padrão

Há anos que não fazia suspiros mas, hoje, para aproveitamento de três claras de ovo que tinham sobrado da receita que tinha confeccionado para o jantar, deu-me na “onda” de suspirar heheheh
A receita é muito simples e só tive de me acautelar com a temperatura do forno para não ultrapassar o tom douradinho que pretendia que os suspiros apresentassem.
No fim acho que não me sai mal.
Aqui está a foto :

Se também quizerem experimentar fazer, aqui está a receita :
Ingredientes:
3- Claras de ovos
500 G de açucar
Raspa de um limão
Alternativa: Um punhado de pinhões ou nozes partidos em pedaços
Preparação :
Bata as claras com o açucar até engrossarem ao ponto de quase susterem a colher de pau em pé.
Eu pus a minha filha a batê-las até ela dizer que já não podia com os braços hehehe.
Foi aproximadamente 20 minutos.
Adicione a raspa do limão e os pinhões ou nozes se optou por as acrescentar.
Em seguida espalhe forminhas de papel no tabuleiro do forno até preencher o fundo por completo (+/-35 forminhas).
  Se tiver forminhas coloridas os suspiros depois ficam mais bonitinhos.
Eu só tinha brancas agora por isso, foi as que usei.
Use uma colher de sopa para encher cada forminha.
Depois de todas cheias leve o tabuleiro ao forno por uns 15 ou 20 minutos no máximo, em temperatura baixa.
Vá controlando para não deixar que fiquem muito secos ou escuros.
Depois é só colocar num prato raso grande ou travessa… qualquer recipiente à sua escolha.
E pronto!
Já tem uma guloseiminha para o fim de semana 🙂

Pudim de Laranja

Padrão
Imagem web
Ingredientes:
  • 2 chávenas (chá) de açúcar
  • 2 chávenas (chá) sumo de laranja
  • 6 ovos
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 1 colher (sopa) de maisena
Modo de Fazer:
Numa panela, em lume brando, derreta 1 chávena (chá) de açúcar até obter o caramelo.
Forre uma forma de buraco no meio de 22cm de diâmetro com essa calda.
Bata bem o restante dos ingredientes no liquidificador por 2 minutos e despeje sobre o caramelo na forma.
Cubra com papel-alumínio e leve ao forno médio pré-aquecido em banho-maria por 1 hora ou até que, ao enfiar um palito, ele saia limpo.
Retire do forno, deixe arrefecer e leve ao frigorífico por 2 horas.
Desenforme e sirva de seguida.