Tag Archives: Notícias

Forte chuva de meteoros, hoje ( 8 /Outubro/ 2011 )

Padrão

041112leonidmeteorvmedw

A NASA – agência espacial americana – começou a avaliar os riscos para satélites e naves espaciais em órbita da Terra, como a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), devido a uma poderosa chuva de meteoros que deve atingir o planeta em 8 de Outubro de 2011. O fenómeno ocorre no outono do hemisfério norte, vai durar sete horas e deverá ser especialmente violento.

A Nasa pode, inclusive, redireccionar a ISS. William Cooke, do Marshall Space Flight Center (Huntsville, Alabama), ligado à agência espacial, disse que os especialistas preveem uma grande chuva e esperam um pico de várias centenas de meteoros por hora.

Duas outras chuvas fortes ocorreram em 1985 e 1998, mas não causaram problemas nos satélites e naves em órbita. Desta vez, a probabilidade de problemas também não é alta. No entanto, Cooke diz que a prevenção é importante e que a próxima tempestade não deve ser ignorada.

Segundo Cooke, a ISS tem um escudo contra as rochas do espaço e, se necessário, pode ser redireccionada. O mesmo se aplica ao telescópio Hubble. O cientista incentiva programadores a determinar se é necessário preparar estratégias de defesa. “Se um meteoro esporádico atinge você, é má sorte. Se isso ocorre durante uma chuva de meteoros, é negligência”, diz o cientista

2007perseids

Fonte da foto : http://www.wix.com/vitor_carvalho/photo

Estas são as dracónidas resultantes do cometa 21P/Giacobini-Zinner, a única coisa de diferente é que há previsões que indicam que este ano possa ser um bom espectáculo porque a Terra atravessa de forma favorável a matéria expelida pelo cometa, o que neste cometa não é tão frequente como noutros, em 1933 e 1946 foram grandes espectáculos, o último razoável parece ter sido em 1998.

Mas que há que ter atenção como referi no meu post, por vezes não se passa nada de espectacular, as previsões destas coisas falham bastante, e alguns textos que circulam pela Net possam induzir em erro as pessoas de que tem um espectáculo garantido. E não tem. A luz da Lua também deverá prejudicar as observações. É esperar e ver.

Dracoq

Pico provável será entre as 20 e as 22h de Portugal Continental

Fonte: MeteoPt

Anúncios

Papagaios fujidos ensinam pássaros selvagens a falar, dizem naturalistas

Padrão
Cacatua.

Papagaios domesticados estão a  ensinar pássaros selvagens a falar como humanos.

Pássaros nativos da Austrália como os galahs e as cacatuas-de-crista-amarela estão a aprender a falar com papagaios que fugiram das gaiolas para as florestas, dizem naturalistas locais.

O chefe do departamento de pesquisa e descoberta do Museu Australiano, em Sydney, Martyn Robinson, diz que o museu recebeu ligações de pessoas que achavam que tinham enlouquecido ao verem diversos pássaros nos seus jardins a proferirem frases como: “Quem é um garoto bonito?”.

Segundo Robinson, os papagaios domesticados passam para outros pássaros as frases que aprenderam dentro das casas onde eram criados.
As novas palavras também são ouvidas pelos filhotes de cacatuas australianas desde o ninho, e elas tendem a repetir o que ouvem.

“Estes pássaros são muito espertos e muito sociais. Comunicação e contato são importantes entre eles”, diz o naturalista.

‘Olá, cacatua’

Numa entrevista à imprensa local, Robinson explicou que o caminho natural para os papagaios que escapam das suas gaiolas é  juntarem-se a um bando de pássaros selvagens, a quem acabam por ensinar as palavras que aprenderam com os seus ex-donos.

Bandos de pássaros diferentes estariam desta forma a misturar-se e a migrarem para Sydney, de acordo com o pesquisadores, para escaparem juntos da seca na região de New South Wales, no sudeste da Austrália.

De acordo com a publicação científica Australian Geographic, a expressão mais comum entre os novos pássaros falantes é “Hello, cockie” (“Olá, cacatua”, em tradução livre), mas alguns também foram ouvidos a dizerem palavrões.

Tanto os papagaios quanto as cacatuas pertencem à família dos psitacídeos, que possui espécies capazes de reproduzir sons da fala humana.

 

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/09/110915_papagaios_ensinam_fala_cc.shtml

China na conquista da Europa

Padrão

China está pronta a ajudar a Europa mas pede estatuto de economia de mercado

14.09.2011 – 08:25 Por Ana Rita Faria

<p>Wen Jiabao na abertura do F&oacute;rum Econ&oacute;mico Mundial em Dalian</p>

Wen Jiabao na abertura do Fórum Económico Mundial em Dalian

 (REUTERS/Jason Lee)

A China está pronta para contribuir para um crescimento mundial mais equilibrado e para continuar a investir na economia europeia, mas quer uma contrapartida: ser reconhecida como economia de mercado, afirmou hoje o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao.

A China acredita que a economia europeia vai recuperar, afirmou o chefe do Governo chinês na abertura da sessão de Verão do Fórum Económico Mundial, em Dalian, no nordeste da China. E deixou a promessa: A China vai continuar a aumentar os seus investimentos na Europa.

As declarações de Wen Jiabao surgem depois de várias notícias dando conta de que o Governo italiano teria pedido à China que comprasse dívida pública do país, para tentar travar a escalada das taxas de juro nos mercados secundários. A segunda maior economia mundial tem vindo a comprar dívida dos países periféricos do euro – como Portugal e Grécia.

Contudo, para ajudar a Europa e contribuir para um crescimento mundial mais equilibrado, a segunda maior economia mundial quer uma contrapartida. “Espero que os dirigentes dos principais países europeus vejam com coragem a sua relação com a China de um ponto de vista estratégico”, afirmou Wen Jiabao.

O primeiro-ministro fez, nomeadamente, referência ao facto de a China querer ver reconhecido o seu estatuto de “economia de mercado a nível mundial” pela União Europeia, que continua a dizer que as condições não estão reunidas para isso, desde logo devido ao facto de a maioria das empresas chinesas continuarem a pertencer ao Estado e os seus dirigentes serem frequentemente nomeados pelo poder político.

“Espero que haja avanços sobre esta questão [estatuto de mercado] na próxima cimeira UE-China”, adiantou o chefe de Governo chinês.

A segunda maior economia mundial tem vindo a reafirmar o seu apoio à Europa, numa altura que as bolsas e os mercados da dívida têm enfrentado sucessivas quedas devido ao receio de que a Grécia venha a entrar em falência.

Os grandes países emergentes que formam o grupo dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) vão, inclusive, encontrar-se na próxima semana para discutir como ajudar a União Europeia.

Fonte : Público

Austrália manda tirar dos livros didáticos as abreviaturas a.C. e d.C

Padrão
Th_cristo_1314961769

O governo australiano mandou tirar dos livros didáticos as referências religiosas de tempo histórico a.C. (antes de Cristo) e d.C. (depois de Cristo).  
As abreviaturas serão substituídas por BCE (Before Common Era ou Antes da Era Contemporânea, em livre tradução), BP (Before Present ou Antes do Presente) e CE (Common Era ou Era Presente). 

Um porta-voz do governo disse ao The Sun Herald que as novas abreviaturas são mais adequadas para o ensino porque são neutras, sem nenhuma conotação de credo.

A substituição das nomenclaturas está prevista para começar em 2012, mas o governo poderá adiá-la — ou já teria adiado — por causa da forte pressão dos cristãos. 

O arcebispo Peter Jensen, de Sidney, disse que a decisão é “uma tentativa absurda” de colocar Jesus Cristo fora da história.

Frede Nile, um pastor de New South Wales, afirmou que se trata do “insulto final” aos cristãos da Austrália. 

As abreviaturas a.D. e d.C. derivam do latim  Anno Domini (Ano do Senhor). 
Foi o monge Dionísio (470-544) que propôs pela primeira vez a cristandade como referência histórica no calendário gregoriano ou Ocidental . Mas demorou séculos para que todos os países cristãos adotassem as abreviaturas.

Portugal foi um dos últimos, em 1422, em substituição à “era de César”. 

Para o novo referencial histórico, Dionísio tomou como base os cálculos que fez sobre a data de nascimento de Jesus Cristo, o Ano 1. 

Há matemáticos que sustentam que o monge errou nas contas, com a diferença de alguns anos. 

Jesus teria nascido entre 4 a 6 a.C.

Com informação do  Fox News Radio, entre outras fontes.

O Upper Atmosphere Research Satellite (UARS) vai atingir a Terra ainda este mês

Padrão
Picture_2
26 pedaços de detritos, com massa combinada de 500 kg, têm probabilidade de um em 3.200 de atingir pessoas. 

CABO CANAVERAL, Flórida – Um satélite já inativo da Nasa, levado pela tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS) em 1991, irá atingir a Terra ainda este mês com detritos, muito provavelmente  em algum oceano ou região sem população, afirmaram representantes da agência espacial.

O Upper Atmosphere Research Satellite (UARS) foi ligado em 2005 e juntou-se às toneladas de lixo espacial que orbitam a Terra.

O satélite de 6,5 toneladas deve voltar ao planeta no final deste mês, embora os especialistas não saibam precisar quando nem onde.

“A atmosfera muda todos os dias. É impossível dizer como isso irá afetar a sua volta”, disse Michael Duncan, vice-líder do departamento de percepção situacional do espaço no Comando Estratégico dos Estados Unidos.

Satélites e corpos rochosos que caem na Terra não são nenhuma novidade. No ano passado, cerca de 400 pequenos pedaços de detritos entraram na nossa atmosfera e puderam ser encontrados.

Partes velhas de foguetes e satélites entram na atmosfera terrestre uma vez por semana.

Um grande satélite como o UARS (que tem 10 metros de comprimento e 4,5 metros de diâmetro) volta à Terra uma vez por ano.

A maior parte do UARS vai queimar-se durante a entrada na atmosfera, mas até 26 pedaços individuais, de massa combinada de 500 kg, irão sobreviver à queda, afirmou Nicholas Johnson, cientista do Programa de Controle de Detritos em Órbita da Nasa. O maior pedaço esperado, parte da estrutura do satélite, deve pesar 150 kg, acrescentou.

Segundo a Nasa, os detritos muito provavelmente cairão no oceano ou em áreas não habitadas. A órbita do satélite passa por grande parte do planeta, desde o norte do Canadá até parte do sul da América do Sul. A probabilidade de que alguém seja atingido pelos detritos é de um em 3.200, afirmou a agência espacial.

Devido ao seu grande tamanho, a entrada na atmosfera do satélite será visível, caso haja alguém por perto.

Para quem quiser acompanhar esta notícia a NASA vai publicar atualizações semanais até quatro dias antes da reentrada. Daí em diante, diariamente, até cerca de 24 horas antes da reentrada e, finalmente, 12 horas, seis horas e duas horas antes da reentrada O endereço oficial é este : www.nasa.gov/mission_pages/uars.

Nave russa com mantimentos para a estação espacial explodiu

Padrão

Cargueiro Progress explodiu após lançamento no cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão

Fragmentos do cargueiro Progress caíram na Sibéria. Moradores afirmam que vidros foram quebrados com o impacto da explosão.

O cargueiro Progress que transportava mantimentos para os seis astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional não conseguiu alcançar a órbita e explodiu na atmosfera na quarta-feira (23), lançando destroços sobre a Sibéria, informou a agência de notícias local Interfax.

“O cargueiro espacial Progress, que se desviou da órbita prevista, caiu no distrito Choiski, na República de Altai”, indicou a fonte à agência “Interfax”.

“A explosão foi tão forte que a 100 quilômetros vidros foram lançados das janelas”, disse Alexander Borisov, chefe da região de Choisky na província Altai, à agência RIA Novosti.

Mais cedo, a Agência espacial russa Roskosmos confirmou que o cargueiro russo Progress M12-M não havia alcançado sua órbita.

“Segundo dados preliminares, houve uma falha no sistema de motores”, acrescentou a Roskosmos.

O cargueiro foi lançado do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão nesta quarta. Ele seria acoplado à Estação Espacial Internacional na próxima sexta-feira e carregava 2,9 toneladas de comida e combustível para a ISS.

A Estação Espacial Internacional tem suprimentos de comida para mais dois ou três meses. No entanto, o acidente ameaça atrasar o lançamento da próxima tripulação, daqui a um mês.

Isto porque a cápsula não tripulada que falhou no lançamento desta quarta-feira é semelhante à que será utilizada para transportar os astronautas até a ISS.

O lançamento de uma Soyuz com três astronautas, incluindo um americano a bordo está previsto para 21 de setembro, mas a investigação aberta depois do acidente “poderia ter implicações para o lançamento da nave”, disse Mike Suffredini, diretor do projeto da Estação.

A Rússia perdeu contato com a nave, que transportava uma carga para a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), poucos minutos após seu lançamento.

O artefato, cuja separação estava prevista para as 17h09 de Moscovo não atingiu a órbita correta devido a uma falha nos motores do foguete portador Soyuz-U, segundo a agência oficial “RIA Novosti”.

Sem os ônibus espaciais, a Nasa está a contar com a Rússia, Europa e Japão, bem como empresas privadas americanas, para manter a estação abastecida.

Os russos tinham três toneladas de suprimentos a bordo da Progress que foi destruída. E vai caber aos russos também o transporte de astronautas até que a indústria privada americana esteja pronta tal tarefa. O objetivo é que a ISS opere até 2020.


Nasa


A agência espacial americana nega que a perda de Progress com 2,9 toneladas de comida afete a tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS).

Mike Suffredini disse em entrevista coletiva que estão a avaliar os possíveis cenários para os próximos lançamentos mas que não estão preocupados, já que a estação está em boa condição logística.

A Nasa está a estudar diferentes cenários e o especialista apontou inclusive a possibilidade de reduzir as quantidades de comida dos astronautas caso tivessem dificuldade para transportar as provisões. No entanto, insistiu que isso é pouco provável depois da carga levada por Atlantis em julho.

Além disso, espera-se que a rotação da tripulação continue no seu ritmo habitual com as próximas Soyuz, embora pudessem estender temporariamente o período de estada dos seis astronautas, caso que tenham que ajustar as próximas missões.

Após a retirada das naves, de 30 anos de serviço, os Estados Unidos ficaram sem um veículo próprio para viajar à ISS e dependem das naves russas, que realizam várias viagens por ano para levar oxigênio, combustível, alimentos e diversos equipamentos.

Enquanto isso, nos EUA começou a corrida espacial privada e 10 empresas disputam para ser a primeira a desenvolver um veículo alternativo privado.

Uma delas é SpaceX, cuja cápsula Dragon, deve fazer um voo de demonstração em novembro, com uma carga de 800 quilos, segundo lembrou Suffredini.

“Nosso desejo é ter um veículo de carga americano o mais rápido possível, após a retirada das naves”.

Fonte: IG

Um banho de desobediencia civil em Israel

Padrão
Com ajuda de mulheres israelenses, palestinas ”driblam” fiscalização para frequentar praias

Apreensivas no início, depois arregalando os olhos de satisfação, as mulheres e meninas entraram no mar sorrindo. De mãos dadas, atiravam as cabeças para trás e riam. A maioria jamais tinha visto o mar. Elas eram palestinas da parte sul da Cisjordânia. O território não tem saída marítima e Israel não lhes permite entrar no país. Elas se arriscaram a um processo criminal, com dezenas de mulheres israelenses que as levaram à praia. E isso, aliás, era parte da questão: protestar contra o que elas e suas anfitriãs consideram leis injustas.

Nas relações palestino-israelenses – sem negociações, com recriminações mútuas, distância crescente e desumanização -, a viagem ilícita foi um raro evento que uniu o mais simples dos prazeres à mais complexa das políticas. Ela mostrou que a coexistência é dura, mas há quem se recuse a desistir dela.

“O que estamos fazendo aqui não mudará a situação”, disse Hanna Rubinstein, que viajou de Haifa a Tel-Aviv para participar. “Mas é mais uma atividade contra a ocupação. Um dia, no futuro, as pessoas perguntarão “Vocês sabiam?” E eu poderei dizer, “Eu sabia. E eu agi”.”

Essas visitas começaram há um ano por ideia de uma israelense. Prosperaram e se transformaram em um pequeno, mas determinado, movimento de desobediência civil. A jornalista Ilana Hammerman vivia na Cisjordânia, onde aprendia árabe, quando uma menina lhe disse que estava desesperada para sair, mesmo por um dia. Aos 66 anos, viúva e mãe de um filho adulto, ela decidiu “contrabandeá-la” para a praia.

Disfarce. Na viagem da semana passada, as mulheres palestinas foram disfarçadas: tiraram as roupas em vez de se cobrir. Elas se sentaram nos bancos traseiros de carros israelenses guiados por mulheres judias de meia-idade, e não usavam os tradicionais lenços de cabeça e vestidos compridos. Quando os carros cruzavam por um posto de inspeção do Exército, apenas acenaram.

As visitantes palestinas têm histórias complicadas. Na maioria de suas famílias, os homens foram presos em algum momento. Por exemplo, Manal, que nunca viu o mar, tem 36 anos, é mãe de três filhos e está grávida; cinco de seus irmãos estão em prisões israelenses, e outro foi morto quando entrou numa escola religiosa de um assentamento armado com uma faca.

As viagens à praia – sete até agora – produziram alguns momentos tensos: um esforço para provocar interesse numa biblioteca universitária fracassou. Além disso, um convite para passar a noite sofreu rejeição dos maridos palestinos. Um policial deixou todos nervosos em uma praia frequentada por judeus.

O jantar da última visita foi uma surpresa. O evento foi organizado por Hagit Aharoni, uma psicoterapeuta e mulher do chef celebridade Yisrael Aharoni. As convidadas amaram a comida de Aharoni.

“Por 44 anos nós ocupamos outro país. Estou com 53, o que significa que a maior parte de minha vida fui uma ocupante”, disse a anfitriã. “Não sou Rosa Parks, mas a admiro, pois ela teve a coragem de violar uma lei que não era justa.”

O Estado de S.Paulo
TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK / THE NEW YORK TIMES
http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110728/not_imp751050,0.php