Tag Archives: Textos para leitura e reflexão

ADIDAS – Patrocinador oficial dos tumultos londrinos ?

Padrão

Já olhou bem para as fotos que se espalharam pela imprensa dos tumultuosos de Londres?

Reparou em alguma coisa em especial para além da destruição e do caos ?

Olhe bem para esta foto que foi montada para realçar um pormenor comum.

Adidas_patrocinador_oficial_das_anascas_londrinos

Reparou ?

Parece que a marca alemã Adidas acabou por se tornar no patrocinador compulsório dos desordeiros já que, praticamente todos a usavam para praticar os seus atos arruaçeiros.

A dúvida que me resta é apenas uma…

Se eles alegam que fizeram tudo isto porque são pobres e não têm dinheiro , como conseguiam usar aquela marca que não é assim tão barata como isso?

Se aquilo é ser pobre, eu quero ser pobre também!

Anúncios

A Terra rachou, congelou, derreteu e algumas empresas ganham com isso…

Padrão
A terra voltou a rachar novamente agora no México, a terra foi dividida em uma extensão de 1500 metros. 

No dia 5 de julho uma mega tempestade de areia cobriu a cidade Phoenix nos EUA, a nuvem tinha cerca de 95 km de largura com ventos de mais de 95 km/h, segundo a rede de televisão ABC e no dia 18 voltou a acontecer na mesma cidade deixando-a na escuridão, o muro de areia tinha cerca de mil metros de altura e era levado por fortes ventos sustentados entre 40  e 50 quilômetros por hora, com picos de 65 quilômetros por hora, segundo o Serviço Meteorológico Nacional.

Uma nevasca isolou 20 mil pessoas no Chile e foi considerada a pior nevasca dos últimos 30 anos, a forte tempestade de neve e a intensa onda de frio deixaram a população sem energia elétrica, sem telefone e até sem comunicação de rádio em vários municípios.

Enquanto isso, os EUA enfrentam uma onda de calor com recordes de temperatura superior a 41 graus, com sensação térmica de 50º, devido a alta temperatura dos últimos dias, 13 pessoas morreram. 

A Terra está congelando de um lado, derretendo de outro e rachando por toda a parte e como sempre alguém está ganhando muito dinheiro com tudo isso. A empresa americana Vivos que constrói bunkers concluiu 2 dos 20 que pretende construir até a data do fim do calendário maia. Os valores variam entre 10 e 50 mil dólares (crianças são metade do preço). 
E pensa que eles deixaram o Elenin de fora, que nada, nesse caso, todas as possibilidades são bem vindas:

Diz o porta voz da empresa:

“O Cometa Elenin é cotado para chacoalhar a Terra e muitos estão preocupados com os efeitos que sua gravidade poderia ter na Terra”. 

“Nossas fontes governamentais de todo o mundo têm alertado que eles estão se preparando para isso há décadas”.

“É claro que diferente do governo, ninguém sabe se a ameaça é real e eles não estão dizendo para evitar pânico em massa, mas ao ligar os pontos é claro que é hora de se preparar.”



 Ainda bem que a melhor preparação é a interna e nem todo o dinheiro do mundo pode compra-la. Estamos bem e ficaremos ainda melhor.


100 Years Ago Britain Also Had Slumdogs

Padrão

Britain’s slumdogs: The ragged and filthy East End children of 100 years ago living a life of grime

By Annabel Venning and Bill Mouland

Last updated at 2:04 AM on 21st July 2011

 

 

Ragged and filthy, their feet bare, they wear grave, careworn expressions. For these children, life was nothing but hard work, empty bellies and the constant struggle for survival.

The pictures, taken by photographer Horace Warner 100 years ago in Spitalfields in London’s East End, were later used by social campaigners to illustrate the plight of the poorest children in London.

On these streets and alleys, hordes of urchins eked out a hand-to-mouth existence, fending for themselves while their parents worked 14-hour days in the factories and docks.

Cleaning up: Taking in laundry for pennies... or a ha'penny would  do

Cleaning up: Taking in laundry for pennies… or a ha’penny would do

 

It was a time when Britain prospered, thanks to the Empire, which brought immense wealth to factory owners and traders.

Yet a stone’s throw from the docks, through which this trade and riches passed, children were dying of starvation and disease.

 

Infant mortality was higher in 1900 than in 1800, as increasing numbers of families sought work in the cities.

In the East End, nearly 20 per cent of children died before their first birthday. Poor families lived ten to a room with no clean water for washing and drinking.

Oration: Boy tells cat of his plans

Youngster with pet rabbit

Creature comforts: Boy tells cat of his plans and a young girl cuddles her per rabbit outside her home

 

Barefoot: The tabby has a warmer coat than this East End child

Keeping warm: Chopping and selling kindling was an ancient way to  make a few pence

Barefoot: The tabby has a warmer coat than this child, while selling kindling was a way to make a few pence

 

Dead animals littered the streets. Excrement and rubbish often blocked the drains. Diseases such as diphtheria, cholera and measles flourished.

A third of households were without a male breadwinner and women were forced to go out to work, leaving children as young as six to look after their younger siblings.

Older children ran errands, swept the streets, cleaned windows or helped to make matchboxes and paintbrushes. It was poorly paid, exhausting work, especially for malnourished children, but their contribution — small as it was — could help buy a little stale bread.

According to Erica Davies, director of the Ragged School Museum in East London: ‘These children tried very hard to survive while facing overwhelming odds.’

Basket ware: Something to carry what ever he has to sell

Getting ahead: This boy has an idea of dressing smartly, but not  all his clothes are up to the job

Getting ahead: The boy on has an idea of dressing smartly, but not all his clothes are up to the job

 

Big head: This boy seems to have green fingers

Gardener: Growing a few veg made a difference

Big head: The boy on top seems to have green fingers, while the other lad’s carrots are doing well

 

The Employment of Children Act in 1903 was meant to keep youngsters at school until they had reached a certain standard of education.

Ironically, the result was that the brighter finished school quickly and often took jobs at the age of 13.

Work as market porters or dock labourers was only temporary, and with the pubs shutting for only five hours a night, one East End boy said drunkenness was ‘the rule rather than the exception’.

Rent, even for hovels, was so high that when parents were unable to find work, they would quickly fall into arrears and be thrown out onto the street.

What of it? These young boys seem to have a confidence that belies  their years

What of it? These young boys seem to have a confidence that belies  their years

What of it? These bare-footed artful dodgers seem to have a confidence that belies their years

 

Cleaning up: Doing the windows for mum

Set of wheels: Boy is going to beg steal or barrow

Cleaning up: Doing the windows for mum or sorting out a set of wheels 

 

Novelist Margaret Harkness visited one dosshouse and described the kitchen scene.

‘Men and women stood cooking their supper — scraps of bread and cold potatoes they had begged, stolen or picked up during the day,’ she wrote.

‘Hungry children held out plates and received blows and kicks from their parents when they came too near the fire.’

sitting out in the sun: A young girl and her cat

sitting out in the sun: A young girl and her cat

Big sister: This little girl looks after her baby brother or sister while the cat just looks on

 

Just like mum and dad: A little girl stirs the pot while a boy  considers his whiskers and his future

Just like mum and dad: A little girl stirs the pot while a boy  considers his whiskers and his future

One for the pot: A waif at her makeshift soup kitchen, while a boy ponders his future

 

A Daily Mail journalist, visiting Dorset Street in 1901, described it as ‘the Worst Street in London’ — full of prostitutes and burglars.

‘Children are trained in the gutter, their first lessons are in oaths and crime.

‘They learn ill as they sip at their mother’s gin, and you can see them at six and eight years old, gambling in the gutter-ways.’

Young love: Two East End sophisticates enjoy a budding romance

Young love: Two East End sophisticates enjoy a budding romance

Young love: East End sophisticates enjoy a budding romance or a quiet moment of friendship

 

Warm-hearted: Children defy the odds to show their optimism and  friendship

Whats to come: Hardly a child anymore

Warm-hearted: Children defy the odds to show their optimism, but they are not far from adulthood 

 

The authorities made some attempt to rescue such children from a life of depravity, rounding up those found living on the streets and taking them to Industrial Schools, established in Victorian times for the children of vagrants, prostitutes or any others deemed to be in danger of falling into crime.

There are heartbreaking stories, recorded by Dr Barnardo and other philanthropists, of orphaned children trying desperately to stay together and keep out of such institutions — with older siblings going without food to feed the younger ones.

Happy-go-lucky me: Enjoy the good days and hope they last

Happy-go-lucky me: Enjoy the good days and hope they last

Happy-go-luck me:  Children have a talent for enjoying the good days and making them last

 

Organisations such as Quaker Social Action (whose predecessor, the Bedford Institute, used these photographs to highlight the children’s plight) organised seaside and summer camps to improve their health.

One hopes that even a handful of the solemn little children in these photos might have been among them and experienced a few hours of carefree childhood.

No wallflowers: Carefree days of 1912 for these boys. Perhaps they  missed the carnage of the Great War

No wallflowers: Carefree days of 1912 for these boys. Perhaps they missed the carnage of the Great War

Sair do euro. E depois ?

Padrão
Euro-banknotes

Achei este artigo muito interessante para ler e reler
Dá para aprender um pouco como funciona dinheiro/banca/Estado

 

Portugal20euro4

 

Caso o documento Word apresente alguma falha de leitura, pode aceder ao conteúdo neste site :

http://resistir.info/europa/sair_do_euro_p.html#notas_1_5#notas_1_5

   

Sair.docx
Download this file

OPERAÇÃO LIBIA

Padrão

Operação Libia- Redesenhar o Mapa de Africa

As implicações geopolíticas e económicas de uma intervenção militar EUA-NATO contra a Líbia são de grande alcance. A Líbia está entre as maiores economia petrolíferas do mundo, com aproximadamente 3,5% das reservas globais de petróleo, mais do dobro daquelas dos EUA.  

Image0091

 

 

A “Operação Líbia” faz parte de uma agenda militar mais vasta no Médio Oriente e na Ásia Central, a qual consiste e ganhar controle e propriedade corporativa sobre mais de 60 por cento da reservas mundiais de petróleo e gás natural, incluindo as rotas de oleodutos e gasodutos.
“Países muçulmanos incluindo a Arábia Saudita, Iraque, Irão, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Iémen, Líbia, Egipto, Nigéria, Argélia,

Cazaquistão, Azerbaijão, Malásia, Indonésia, Brunei possuem de 66,2 a 75,9 por cento do total das reservas de petróleo, conforme a fonte a

metodologia da estimativa”.

(Ver Michel Chossudovsky, The “Demonization” of Muslims and the Battle for Oil, Global Research, January 4, 2007) .

Global Research
Com 46,5 mil milhões de barris de reservas provadas (10 vezes as do Egipto), a Líbia é a maior economia petrolífera do continente africano seguida

pela Nigéria, Argélia, em contraste, as reservas provadas dos EUA são da ordem dos 20,6 mil milhões de barris (Dezembro 2008) segundo EIA.

 

Image01122
Image01233


As estimativas mais recentes situam as reservas de petróleo da Líbia nos 60 mil milhões de barris. As suas reservas de gás em 1.500 mil

milhões de m3. A sua produção tem estado entre 1,3 e 1,7 milhão de barris/dia e a produção de gás de 2.600 milhões de pés cúbicos por dia, segundo números da National Oil Corporation (NOC).
A BP Statistical Energy Survey de 2008 (em alternativa) colocava as reservas provadas da Líbia nos 41.464 mil milhões de barris no fim de 2007, os

quais representam 3,34% das reservas provadas do mundo.  

O petróleo é o “troféu” das guerras conduzidas pelos EUA-NATO  

Uma invasão da Líbia sob um pretexto humanitário serviria os mesmos interesses corporativos da invasão de 2003 e subsequente ocupação do Iraque. O objectivo subjacente é tomar posse das reservas de petróleo da Líbia, desestabilizar a National Oil Corporation (NOC) e finalmente privatizar a indústria petrolífera do país, nomeadamente transferir o controle e propriedade da

riqueza petrolífera Líbia para mãos estrangeiras.
A National Oil Corporation (NOC) está classificada entre as 25 maiores 100 companhias de petróleo do mundo.
A planeada invasão da Líbia, a qual já está em curso, é parte da “Batalha pelo petróleo” mais vasta , aproximadamente 80 por cento das reservas de petróleo da Líbia estão localizadas na bacia do Golfo de Sirte da Líbia Oriental.  

Image0064

A Líbia é uma economia valiosa.

“A guerra é bom para os negócios e o petróleo é o troféu das guerras efectuadas pelos EUA-NATO.
A Wall Street, os gigantes anglo-americanos do petróleo, os produtores de armas dos EUA e UE seria os beneficiários tácitos de uma campanha

militar dos EUA-NATO contra a Líbia.
O petróleo líbio é uma mina de ouro para os gigantes petrolíferos anglo-americanos. Embora o valor de mercado do petróleo bruto

esteja actualmente pouco acima dos 100 dólares por barril, o custo do petróleo líbio é extremamente baixo, tão baixo como US$1,00 por barril

Interesses petrolíferos estrangeiros na Líbia

Entre as companhias petrolíferas estrangeiras que operavam antes da insurreição na Líbia incluem-se a Total da França, a ENI da Itália, a China

National Petroleum Corp (CNPC), a BP British Petroleum, o consórcio espanhol REPSOL, ExxonMobil, Chevron, Occidental Petroleum, Hess, Conoco Phillips.
Muito significativamente, a China desempenha um papel central na indústria petrolífera líbia. A China National Petroleum Corp (CNPC) tinha, até o

seu repatriamento, uma força de trabalho de 30 mil chineses na Líbia. A British Petroleum (BP), em contraste, tinha uma força de trabalho de 40 a

qual foi repatriada.                                                                    
Onze por cento (11%) das exportações de petróleo líbias são canalizadas para a China. Se bem que não haja números sobre a dimensão e importância

da produção e actividades de exploração da CNPC, há indicações que são apreciáveis.
A presença da China na África do Norte é considerada por Washington como uma intrusão porque, de um ponto de vista geopolítico, a China é uma intrusa e a campanha militar dirigida contra a Líbia pretende excluir a China da África do Norte.
O papel da Itália também tem importância. A ENI, o consórcio italiano, extrai 244 mil barris de gás e petróleo [por dia], os quais representam quase

25% do total das exportações da Líbia. (Skynews).)
As companhias dos E.U.A na Líbia, a Chevron e a Occidental Petroleum (Oxy) decidiram há cerca de seis meses (Outubro 2010) não renovar as

suas licenças de exploração de petróleo e gás na Líbia.
Em contraste, em Novembro de 2010 a companhia Alemã R.W. DIA E assinou um acordo de grande alcance com a National Oil Corporation (NOC) da

Líbia que envolve a exploração e partilha de produção.
As apostas financeiras bem como “os despojos de guerra” são extremamente elevados, a operação militar pretende desmantelar instituições financeiras da Líbia bem como confiscar milhares de milhões de dólares de activos financeiros líbios depositados em bancos ocidentais.
Deveria ser enfatizado que as capacidades militares da Líbia, incluindo o seu sistema de defesa aérea, são fracas.

 

Redesenhar o mapa da África  

A Líbia tem as maiores reservas de petróleo de África. O objectivo da interferência dos EUA-NATO é estratégico: consiste no roubo sem

rodeios, em roubar a riqueza petrolífera do país sob o disfarce de uma intervenção humanitária.
Esta operação militar pretende estabelecer a hegemonia dos EUA na África do Norte, uma região historicamente dominada pela França e em menor extensão pela Itália e Espanha.
Em relação à Tunísia, Marrocos e Argélia, o desígnio de Washington é enfraquecer os laços políticos destes países com a França e pressionar pela instalação de novos regimes políticos que tenham um estreito relacionamento com os EUA. Este enfraquecimento da França, como aspecto do desígnio imperial dos EUA, faz parte de um processo histórico que remonta às guerras na Indochina.
A intervenção dos EUA-NATO que conduza à futura formação de um regime fantoche dos EUA pretende também excluir a China da região e por para

fora a National Petroleum Corp (CNPC) da China.
Os gigantes anglo-americanos, incluindo a British Petroleum que em 2007 assinaram um contrato de exploração com o governo Kadafi, estão entre os potenciais “beneficiários” da proposta operação militar EUA-NATO.
Mais na generalidade, o que está em causa é o redesenho do mapa da África, um processo de re-divisão neo-colonial, o descarte das demarcações da Conferência de Berlim de 1884, a conquista da África pelos Estados Unidos em aliança com a Grã-Bretanha, numa operação conduzida pelos EUA-NATO.

Divisão colonial em 1923

 

Líbia: Portão Saariano estratégico para a África Central  

A Líbia tem fronteiras com vários países que estão na esfera de influência da França, incluindo a Argélia, Tunísia, Níger e Chad.
O Chad é potencialmente uma economia rica em petróleo. A ExxonMobil e a Chevron têm interesses no Chad do Sul incluindo um projecto de oleoduto.

O Chad do Sul é um portão de entrada para a região do Darfur, do Sudão, a qual também é estratégico em vista da sua riqueza petrolífera.
A China tem interesses petrolíferos tanto no Chad como no Sudão. A China National Petroleum Corp (CNPC) assinou em 2007 um acordo de grande alcance com o governo do Chad.
O Níger é estratégico para os Estados Unidos devido às suas vastas reservas de urânio.
Presentemente, a França domina a indústria de urânio no Níger através do conglomerado nuclear francês Areva, anteriormente conhecido como Cogema, mas a China também tem interesse na indústria de urânio do Níger.
A fronteira Sul da Líbia é estratégica para os Estados Unidos na sua busca pela extensão da sua esfera de influência na África francófona, um vasto território que se estende desde a África do Norte até à África Central e Ocidental.

Historicamente esta região fazia parte dos impérios coloniais da França e da Bélgica, cujas fronteiras foram estabelecidas na Conferência de Berlim de 1884 e os EUA desempenharam um papel passivo na Conferência de Berlim de 1884.

Esta nova re-divisão no século XXI do continente africano, baseada no controle sobre o petróleo, gás natural e minerais estratégicos (cobalto, urânio, crómio, manganês e platina) apoia amplamente os interesses corporativos anglo-americanos.
A interferência dos EUA na África do Norte redefine a geopolítica de toda uma região. Mina a China e ensombra a influência da União Europeia.
Esta nova re-divisão da África não enfraquece apenas o papel das antigas potências coloniais (incluindo a França e a Itália) na África do Norte. Ela também faz parte de um processo mais vasto de deslocamento e enfraquecimento da França (e da Bélgica) sobre uma grande parte do continente africano.
Regimes fantoches dos EUA foram instalados em vários países africanos que historicamente estavam na esfera de influência da França (e Bélgica), incluindo a República do Congo e o Rwanda. Vários países na África Ocidental dentro da esfera da França (incluindo a Costa do Marfim) estão

destinados a tornarem-se estados proxy dos EUA.
A União Europeia está fortemente dependente do fluxo de petróleo líbio, dado que 80% do seu petróleo é vendido para países europeus.

No caso de uma guerra com a Líbia, a oferta de petróleo à Europa Ocidental poderia ser interrompida, afectando grandemente a Itália, França e

Alemanha, as quais estão fortemente dependentes do petróleo líbio. As implicações destas interrupções são de extremo alcance.

Elas também têm relação directa sobre o relacionamento entre os EUA e a União Europeia.

Image0086

 

 

Observações conclusivas  

Os media de referência, através da desinformação maciça, são cúmplices na justificação de uma agenda militar a qual, se executada, teria

consequências devastadoras não apenas para o povo líbio: os impactos sociais e económicos seriam sentidos à escala mundial.
Há actualmente três diferentes teatros de guerra na região do Médio Oriente e Ásia Central: Palestina, Afeganistão, Iraque. No caso de um ataque

à Líbia, um quarto teatro de guerra seria aberto na África do Norte, com o risco de escalada militar.
A opinião pública deve tomar conhecimento da agenda oculta por detrás deste empreendimento alegadamente humanitário, apregoado por chefes

de estado e chefes de governo de países da NATO como uma “Guerra Justa”.  A teoria da Guerra Justa, tanto nas suas versões clássica como contemporânea, defende a guerra como uma “operação humanitária”.
Ela apela à intervenção militar sobre bases éticas e morais contra “estados vilões e “terroristas islâmicos”.
A teoria da Guerra Justa demoniza o regime Kadafi na sua fase de preparação.
Os chefes de estado e de governo dos países da NATO são arquitectos da guerra e destruição no Iraque e no Afeganistão.

Numa lógica absolutamente enviesada, eles são apregoados como as vozes da razão, como os representantes da “Comunidade Internacional” e as realidades são invertidas. Uma intervenção humanitária é lançada por criminosos de guerra em altos cargos, os quais são Os guardiões da teoria

da Guerra Justa.

Abu Ghraib, Guantanamo, … Baixas civis no Paquistão resultantes de ataques dos EUA com aviões sem piloto a cidades e

aldeias, ordenados pelo presidente Obama, não estão nas primeiras páginas dos noticiários, nem tão pouco os 2 milhões de

mortes civis no Iraque.

 

Não existe isso de “Guerra Justa”.  

A história do imperialismo dos EUA deveria ser entendida. O Relatório 200 do Project of the New American Century intitulado “Rebuilding America Defenses” apela à implementação de uma longa guerra, uma guerra de conquista. Um dos principais componentes desta agenda militar é:

– “Combater e vencer decisivamente em múltiplos teatros de guerra simultâneos”.
A operação Líbia faz parte desse processo… É um outro teatro na lógica do Pentágono de “teatros de guerra simultâneos”.
O documento PNAC reflecte fielmente a evolução da doutrina militar dos EUA desde 2001. Os planos dos EUA para se envolverem simultaneamente

em vários teatros de guerra em diferentes regiões do mundo.
Embora a protecção da América, nomeadamente a “Segurança Nacional” dos EUA, seja mantido como objectivo, o relatório do PNAC explica claramente porque estes teatros de guerra múltiplos são requeridos e nos quais, a justificação humanitária não é mencionada.

 

Qual é o objectivo do roteiro militar da América?  

A Líbia é alvejada porque é um dentre os vários países que permanecem fora da esfera de influência da América, por não se acomodar às exigências

dos EUA. A Líbia é um país que foi seleccionado como parte de um “roteiro” militar que consiste de “múltiplos teatros de guerra simultâneos”.
Nas palavras do antigo Comandante-chefe da NATO, General Wesley Clark:
“No Pentágono em Novembro de 2001, um dos oficiais superiores do staff teve tempo para uma conversa. Sim, ainda estamos a caminho de ir contra o Iraque, disse ele. Mas havia mais. Isso estava a ser discutido como parte de um plano de campanha de cinco anos, disse ele, e havia um total de sete países, começando com o Iraque e a seguir a Síria, Líbano, Líbia, Irão, Somália e Sudão.   

 

Este texto, foi tirado e adaptado pelo blogueiro Nuno Guerreiro  

Consulta aos sites:

http://www.globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=23605

http://resistir.info/chossudovsky/libia_09mar11.html

 

 

Vacinas anti-fertilidade

Padrão
É um programa de grande escala contra a fertilização com o objetivo de reduzir a população mundial: um sonho há muito acalentado pela Elite Global

Antifert31

Uma série de documentos veio à tona, provar sem qualquer sombra de dúvidas a participação do Fundo de População das Nações Unidas, Banco Mundial e Organização Mundial da Saúde, desenvolvendo-o sob responsabilidade de uma “Força-Tarefa sobre Vacinas de Regulação da Fertilidade”.
Sua missão, segundo um dos seus membros, para apoiar:

“A pesquisa básica e clínica sobre o desenvolvimento de vacinas contra o controle da natalidade dos gâmetas ou do embrião pré-implantatório. Esses estudos têm envolvido a utilização de procedimentos avançados em química de peptídeos, a tecnologia de hibridomas e genética molecular, bem como a avaliação de uma série de novas abordagens em vacinologia geral. Como resultado deste esforço, colaboração internacional, um protótipo de vacina anti-HCG está agora em fase de teste clínico, aumentando a perspectiva de que um novo método de planejamento familiar podem estar disponíveis antes do final da década atual.
No que diz respeito ao âmbito de competência da Força-Tarefa, da Biotecnologia e Desenvolvimento Monitor relatou:
“A Força Tarefa atua como um órgão global de coordenação para anti-fertilidade vacina R & D nos diversos grupos de trabalho e apóia pesquisas sobre diferentes abordagens, tais como anti-esperma e vacinas anti óvulo e vacinas destinadas a neutralizar as funções biológicas de hCG. A Força-Tarefa conseguiu desenvolver um protótipo de uma vacina anti-hCG. ”

Um dos membros da Task Force (Força Tarefa), P.D. Griffin, esboçou a propósito e trajetória dessas vacinas a regulação da fecundidade. Griffin:

“A Força-Tarefa tem prosseguido e coordenado suas atividades de investigação com outros programas de vacinação de desenvolvimento no âmbito da OMS e com outros programas nacionais e internacionais envolvidos no desenvolvimento de vacinas de regulação da fertilidade.”

Griffin também admitiu que o fato de que um dos efeitos das vacinas é a implementação em países em desenvolvimento. Griffin:

“As vacinas poderão ser desenvolvidas, e poderão com segurança e eficácia inibir a fertilidade, sem produzir efeitos colaterais, eles seriam uma adição atrativa ao arsenal atual de fertilidade que regulam os métodos e possa ter um impacto significativo sobre os programas de planejamento familiar.”

Além disso, uma das vantagens do FRVs sobre “métodos disponíveis atualmente, de regulação da fertilidade”, afirma o Task Force, é o seguinte:
“Custo de produção baixo e a facilidade de entrega nos serviços de saúde existentes.”

Já em 1978, a Task Force da OMS (então chamada Força-Tarefa em Imunologia Métodos de Regulação da Fertilidade), sublinhou a utilidade destas vacinas em relação à possibilidade de “síntese e fabricação em grande escala” da vacina:

“As vantagens potenciais de uma abordagem imunológica para regulação da fecundidade pode ser resumido da seguinte forma: (a) a possibilidade de a administração freqüente, possivelmente por pessoal paramédico, (b) o uso de antígenos ou fragmentos de antígeno, que não são farmacologicamente ativos, e ( c) no caso de antígenos de composição química conhecida, existe a possibilidade de síntese em larga escala e fabricação de vacina a um custo relativamente baixo. ”
Em 1976, a OMS Programa de Expansão de Pesquisas, Desenvolvimento e Capacitação em Pesquisa em Reprodução Humana publicou um relatório, afirmando:

“Em 1972, a organização (…) expandiu seu programa de pesquisa em reprodução humana para fornecer um foco internacional de um esforço intensificado para melhorar os atuais métodos de regulação da fertilidade, para desenvolver novos métodos e para ajudar as autoridades nacionais na elaboração das melhores maneiras de proporcionar-lhes em uma base contínua. O programa está intimamente integrado com a pesquisa da OMS e sobre a prestação de cuidados de planeamento familiar nos serviços de saúde, que por sua vez alimenta o programa da OMS de assistência técnica aos governos no nível de serviço. “

Embora o termo “Vacina Anti-fertilidade”, cunhado pela Fundação Rockefeller, foi substituído pelo som mais burocrática “Vacinas de Regulação da Fertilidade (FRV), o programa era, obviamente, a mesma coisa. Além disso, a linha do tempo mostra conclusivamente que a OMS, o Fundo de População das Nações Unidas e o Banco Mundial continuou em um caminho delineado pelos Rockefellers na década de 1960. Por extensão, isso prova que toda a organizações estão perfeitamente interligadas, capturados sob o cabeçalho “Ditadura Científica”. A relação entre a OMS e a Fundação Rockefeller é intensa. No boletim de 1986, da Organização Mundial de Saúde, essa relação está sendo descrito com algum pormenor. Ao pesquisar a eficácia do “gossipol” como um agente anti-fertilidade “, afirma o boletim

“A Fundação Rockefeller apoiou testes clínicos na China e em estudos clínicos de pequena escala no Brasil e na Áustria. A dose administrada no estudo atual chinês foi reduzida de 20 mg de 10-15 mg / dia durante a fase de carregamento, a fim de ver se oligospermia grave azoospermia e não coerente seria adequado para o efeito, aceitáveis não-tóxicos e reversível. Entretanto, tanto o programa da OMS de reprodução humana e da Fundação Rockefeller estão apoiando estudos em animais para melhor definir o mecanismo de ação do gossipol.

Em agosto de 1992, uma série de reuniões foi realizada em Genebra, na Suíça, sobre as “vacinas de regulação da fertilidade”. De acordo com o documento de vacinas de regulação da fertilidade(classificados pelo presente que com uma distribuição limitada) nessas reuniões estavam presentes cientistas e médicos de todo o mundo, incluindo o então investigador biomédico da Agência Americana para Desenvolvimento Internacional, e o atual chefe de investigação da USAID , o Sr. Jeff Spieler.
Em 1986, o Sr. Spieler declarou:
“Uma nova abordagem à regulação da fecundidade é o desenvolvimento de vacinas contra substâncias humanas necessárias para a reprodução. Os candidatos potenciais à interferência imunológica incluem os hormônios reprodutivos, óvulo e espermatozóide antígenos e antígenos derivados de tecido embrionário ou fetal. (…). Uma vacina anti-fertilidade deve ser capaz de inibir de forma segura e eficaz de uma substância humana, que precisaria de algum modo a serem prestados antigênica. A vacina contra a regulação da fecundidade, além disso, teria que produzir e manter a imunidade efetiva em pelo menos 95% da população vacinada, um nível de proteção raramente alcançado mesmo com as vacinas de maior sucesso viral e bacteriana. Mas enquanto estes desafios pareciam insuperáveis poucos anos atrás, os recentes avanços na biotecnologia, particularmente nos campos da biologia molecular, engenharia genética e produção de anticorpos monoclonais, vacinas anti-fertilidade, já são uma realidade. ”

Para que a vacina seja disseminada, Spieler escreve, a vacina deve conquistar “as variações nas respostas individuais a imunização com vacinas contra a regulação da fecundidade”.
“Pesquisa”, ele continua a dizer “, também é necessária no campo da” vacinologia de base “, para encontrar as melhores proteínas transportadoras, adjuvantes, veículos e sistemas de distribuição.”
No documento de 1992, o problema das “variações nas respostas individuais” também é discutido:
“Por causa da diversidade genética da população humana”, afirma o documento, “as respostas imunes às vacinas, muitas vezes mostram diferenças marcantes de um indivíduo para outro, em termos de magnitude e duração. Essas diferenças podem ser parcialmente ou completamente superado com FRVs adequadamente projetados (vacina de regulação da fertilidade) e por melhorias na nossa compreensão do que é necessário para desenvolver e controlar a resposta imune induzida por vacinas diferentes. ”
A imagem que surge a partir desses fatos é claro. A OMS, como organismo de coordenação global, desde o início dos anos 70 vem dando continuidade ao desenvolvimento da Fundação Rockefeller pela vacina anti-fertilidade “. É um programa de grande escala contra a fertilização com o objetivo de reduzir a população mundial: um sonho há muito acalentado pela elite global.

Fonte: Infowars.com ; Gossipol

Um tremendo crime ambiental

Padrão
Ocean111

O mar não é container de lixo, mesmo assim continuam a usa-lo como tal.
Porque não queimaram o corpo do Bin Laden?
Para que respeitar o ritual islamico?
Será que  os que terroristas dão a extremunção aos cristãos antes de colocarem as bombas que os fazem voar pelos ares?
Jogar o corpo fétido deste infeliz no mar – caso seja verdade – foi um crime contra o meio-ambiente, já que o terrorista era saudi que o jogassem  de paraquedas sobre Meca.
Cada um que cuide do seu lixo.
Um tenebroso e horrendo crime ambiental, ademais  os restos do louco islamico ainda vão dar à costa de uma bela praia.
Fiquei desiludidida com o Obama, isso não é coisa que se faça, deixar o corpo deste homem tocar as águas do mar.

Imperdoável.