Tag Archives: Ciência

Lágrimas dos ratos são afrodisíacas

Padrão

News-mouse-tears_22908_600x450

Um estudo levado a cabo por investigadores da Universidade de Tóquio permitiu concluir que as lágrimas dos ratos são afrodisíacas.

Sempre que uma fêmea entra em contacto físico com as lágrimas do macho, fica sexualmente excitada.

A culpa é de uma feronoma designada ESP1 (que os seres humanos não possuem), que faz com que as fêmeas fiquem mais receptivas ao acasalamento.

De acordo com Kazushige Touhara, um dos investigadores envolvidos no estudo, os ratos-macho choram para evitar que os olhos desidratem.

Para capturar essa feronoma, “as fêmeas têm que tocar no macho ou no seu ninho, uma vez que esta não é um composto volátil como as fragrâncias”, explicou ao diário “El Mundo”.

A investigação permitiu, pela primeira vez, perceber de que forma funciona a “interacção a nível molecular e cerebral”, diz o mesmo co-autor do estudo.

A equipa de investigação pondera patentear o feronoma como um instrumento “para aumentar as probabilidades de acasalamento dos ratos de laboratório”.

Fonte: Os Bichos

Anúncios

Nuvem Arco-Íris formou-se na Etiópia

Padrão

Nuvemarcoiris

Devido à composição das suas gotículas, uma nuvem na Etiópia formou este curioso arco-íris.

Chamada de “Pileus Iridescent”, ou Pileus iridescente, ela consegue refratar a luz do Sol em diferentes cores.

Isto ocorre porque a nuvem é formada por gotas de tamanho uniforme, que criam uma camada de água muito fina.

A foto foi divulgada pela Nasa esta semana, na sua página de “Fotografia Astronômica do Dia”.

Tatuagem electrónica monitoriza sinais vitais

Padrão

Sensor é colocado na pele como uma tatuagem temporária

Tatuagem

Uma tatuagem electrónica permite monitorizar doentes, através de um chip colocado na pele do paciente, e ajudar a controlar à distância o coração e o cérebro.

O projecto vai revolucionar a maneira de acompanhamento de doentes e através de um sensor mais fino que um cabelo humano, colocado na pele como uma tatuagem temporária, pode ser movido, dobrado e esticado sem partir.

De acordo com um estudo publicado na revista científica «Science», a tatuagem electrónica pode mesmo substituir equipamentos maiores, usados pelos hospitais e que não permitem ao paciente fazer uma vida normal.

O sensor será desenvolvido com partes electrónicas onduladas, para que possa ser esticado e apertado com a pele.

Existirão também minúsculas células solares, que permitem gerar e captar energia a partir da radiação electromagnética.

Inserido numa lâmina de plástico solúvel em água, o sensor poderá ser colocado apenas esfregando-o na pele, com água, como se tratasse de uma tatuagem electrónica.

Esta tecnologia poderá ajudar a monitorizar bebés prematuros, ou até mesmo pacientes com apneia do sono, que precisam de acompanhamento durante a noite.

Todd Coleman, professor da Universidade de Illinois, nos Estados Unidos, acredita que este sensor é melhor do que o paciente ter um aparelho grande atrás de si.

«A melhor maneira para fazer isso é gravar sinais neurais em cenários naturais, com aparelhos que sejam invisíveis ao usuário.»

A tatuagem já foi testada por 24 horas, sem perder sinal, e sem irritação de pele.

No entanto, o uso de longo prazo, ainda não foi registado com sucesso, uma vez que a pele produz novas células, e as da superfície morrem e são eliminadas, o que obriga, por enquanto, que seja colocado um novo sensor a cada duas semanas.


 http://www.tvi24.iol.pt/tecnologia/saude-tatuagem-chip-apneia-tvi24/1273415-4069.html

Russos querem enviar turistas à Lua a partir de 2014

Padrão


1310490316473-espaconave1

A Energuia, fabricante das naves russas Soyuz, anunciou nesta segunda-feira que está a construir uma nova nave tripulada para enviar turistas para a órbita da Lua a partir de 2014.
“A construção está em fase inicial”, afirmou o presidente e engenheiro chefe da Energuia, Vitali Lopotá, à agência de notícias Interfax.
Lopotá destacou que as novas naves Soyuz estarão especialmente equipadas para programas comerciais com tripulantes não profissionais –por outras palavras, que não sejam cosmonautas.
A Energuia já negocia o orçamento do projeto, o número de turistas que viajarão em cada voo e o preço a ser pago para fazer parte da odisseia espacial.
No caso da Soyuz com os turistas a bordo se limitar a rodear a Lua e retornar à Terra, o voo pode prolongar-se por oito ou nove dias. Se a viagem incluir uma visita à ISS (Estação Espacial Internacional, na sigla em inglês), pode durar até três semanas.
No começo do ano, a companhia Space Adventures, organizadora de voos espaciais turísticos, anunciou a venda de uma passagem na nova Soyuz a uma celebridade por US$ 150 milhões, mas não divulgou quem seria.

TURISMO PARA POUCOS

 

A ISS já abriu suas portas para sete turistas espaciais.

O americano Dennis Tito (2001) se tornou o primeiro a viajar à plataforma, seguido pelo sul-africano Mark Shuttleworth (2002) e pelo americano Gregory Olsen (2005).
A americana de origem iraniana Anousha Ansari foi a primeira turista mulher a ir para a ISS em 2006. Depois dela, experimentaram o mesmo feito o americano de origem húngara Charles Simonyi (2007) e Richard Garriott, filho do ex-astronauta americano Owen Garriott.
Simonyi é o único turista que repetiu a experiência em março de 2009, enquanto o fundador do Cirque du Soleil, o canadense Guy Laliberté, ficou conhecido como o último amador a visitar a ISS.
A Rússia recorreu ao turismo espacial no início da década passada devido à grave crise de financiamento que afetou seu programa espacial após a queda da União Soviética, a primeira potência a enviar um homem ao espaço em abril de 1961.
Em 2009, o país decidiu suspender as visitas devido à falta de espaço, uma vez que a tripulação da ISS duplicou para até seis tripulantes, e à decisão dos Estados Unidos de interromper os voos de suas naves.

#!

 

Planador é lançado ao espaço para experiências a altas velocidades

Padrão

Planador é lançado ao espaço para experiências a altas velocidades



Ilustrações mostram o planador HTV-2, capaz de atingir velocidades 20 vezes maiores do que a barreira do som. (Crédito: Darpa / AP Photo) 


Veículo HTV-2 consegue atingir quase 21.000 km/h. Lançamento aconteceu na base aérea Vandenberg, nos Estados Unidos.
Um veículo planador foi lançado na base Vandenberg, da Força Aérea dos Estados Unidos, para a realização de experimentos a altas velocidades no espaço.

O objetivo é que a nave alcance uma velocidade vinte vezes maior que a do som – medida conhecida como Mach 20.

O projeto é coordenado pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (Darpa, na sigla em inglês).

O planador – chamado Veículo Falcon de Tecnologia Hipersônica 2 (HTV-2) – consegue atingir quase 21.000 quilômetros por hora e não é tripulado, apesar de poder ser controlado remotamente.


Reprodução mostra o momento no qual o planador se livra do foguete Minotauro 4. (Foto: Darpa / AP Photo)


Para chegar ao espaço, o veículo viajou a bordo de um foguete da família Minotauro, fabricado pela Orbital Sciences Corporation.

O objetivo da Darpa é testar novas tecnologias em velocidades extremamente altas, muito acima do limite supersônico (acima de 1.200 quilômetros por hora).


Fonte: G1

Flying sphere goes where man fears to tread / Esfera voadora vai aonde o homem não pode ir

Padrão
Flying sphere goes where man fears to tread 

Researchers from Japan’s Ministry of Defense have developed an unmanned aerial vehicle with a difference. It’s a radio-controlled sphere about twice the size of a basketball, designed to land in hazardous environments without breaking.

Esfera voadora vai aonde o homem não pode ir
O pesquisador Fumiyuki Sato, do Ministério da Defesa do Japão, desenvolveu uma bola voadora, do tamanho aproximado de uma bola de basquete, que pode chegar a lugares inalcançáveis para seres humanos.

A ideia é que o Objeto Voador Circular Futurístico, como está a ser chamado, atue em operações de salvamento em casos de desastres naturais.

O aparelho pode voar por dentro de edifícios enfraquecidos por terremotos, por exemplo, e transmitir em tempo real o que o rodeia por meio de uma câmera acoplada à sua estrutura.

A bola, controlada via ondas de rádio, pode voar por apenas oito minutos, mas chega a 60 km/h.
A sua estrutura, que mede 42 centímetros, é toda feita de fibra de carbono e componentes do estireno, o que a torna muito leve: 340 gramas.

Além da câmera, o aparelho contém oito lemes manobráveis  para definir a direção que a bola vai tomar , 16 spoilers  que permitem reduzir a velocidade  e um giroscópio  para estabilizar a estrutura. Tudo isto foi construído por Sato com apenas 110 mil ienes.


http://www.reuters.com/resources_v2/flash/video_embed.swf?videoId=217093066

VÍDEO TRANSCRIPT :EDITORS NOTE: EDIT INCLUDES CONVERTED 4:3 MATERIAL It’s developers call it the “Futuristic Circular Flying Object” and it’s designed to go where humans can’t. The unmanned aerial vehicle has been built for search and rescue operations; to fly in and out of buildings weakened by earthquakes or other natural disasters, using its onboard camera to transmit live images of whatever it sees. It can hover for up to eight minutes and fly at 60 kilometres per hour…although it does slow down for open windows. Stair cases are easily negiotiated by a skilled operator and if the airrcraft’s lithium polymer batteries lose power, the sphere has been designed to simply roll to a stop, minimising the risk of breakage SOUNDBITE: FUMIYUKI SATO – TECHNICAL RESEARCH AND DEVELOPMENT INSTITUTE, JAPANESE MINISTRY OF DEFENSE, SAYING: “Because of the spherical shape of the object, it can land in various positions and tumble to move around on the ground..” Fumiyuko Sato, a researcher from Japan’s Ministry of Defense invented and built the unmanned aerial vehicle from parts purchased off the shelf at consumer electronics stores. It boasts eight manoeuverable rudders and three gyro sensors to keep it upright. And it’s extremely lightweight, thanks to its carbon fiber and styrene components. Sato’s invention is a proto-type, but he believes it has a big future. SOUNDBITE: FUMIYUKI SATO – TECHNICAL RESEARCH AND DEVELOPMENT INSTITUTE, JAPANESE MINISTRY OF DEFENSE, SAYING: “When fully developed, it can be used at disaster sites or anti-terrorism operations or urban warfare,” And in the meantime Sato says, there’s the pure fun of testing it. Rob Muir, Reuters

Fonte: Reuters

CURIOSITY – The Mars Science Laboratory Rover – NASA

Padrão

559441main_curiosity_946-710

Tirada a 3 de Junho de 2011, durante o teste de mobilidade, esta imagem mostra o Mars Science Laboratory Rover, Curiosidade, (assim se chama este veículo) no interior das instalações do Spacecraft no Jet Propulsion Laboratory da NASA, Pasadena.
Os preparativos continuam para enviar o Rover para o Kennedy Space Center da NASA na Florida em Junho e para o seu lançamento no outono de 2011.